Reflexões sobre discurso e linguagem numa perspectiva decolonial – Thinya (2019), de Lia Letícia – Cobertura XII Janela Internacional de Cinema de Recife

Por Lorenna Rocha (PE)

“A língua de que usam, por toda a costa, carece de três letras; convém a saber, não se acha nela F, nem L, nem R, coisa digna de espanto, porque assim não têm Fé, nem Lei, nem Rei, e dessa maneira vivem desordenadamente, sem terem além disto conta, nem peso, nem medida.”
Pero de Magalhães de Gândavo, 1576

Assisti ao Thinya (2019), durante o XII Janela Internacional de Cinema do Recife. Na sinopse do filme de Lia Letícia, há a seguinte pergunta: um discurso muda uma imagem? 

Me permiti refletir um pouco sobre esse questionamento. 

O curta-metragem pernambucano é construído simultaneamente por dois eixos: o primeiro se dá pela exibição de arquivos de dois álbuns de fotografias encontrados por Lia durante uma residência sua na Alemanha; o segundo pela narração (off) de trechos de livros produzidos durante o processo de colonização portuguesa no Brasil, traduzido para a língua indígena yathee, pertencente aos Fulni-ô, população do agreste de Pernambuco. A voz em off é proferida por uma mulher indígena, Maria Pastora, que tem seu nome indígena como título da película.

O uso de arquivos para elaboração de produções audiovisuais tem se tornado cada vez mais comum. Em Thinya (2019), a manipulação das fotografias se dá de maneira bastante específica. As imagens dos álbuns, aos poucos, deixam de ser exibidas de forma estática e em sua totalidade. Enquanto os olhos, ouvidos e bocas desses sujeitos vão sendo realçados, a câmera que torneia e delimita aqueles traços é a mesma que objetifica estes corpos brancos. A objetificação ainda fica mais incisiva quando as imagens são sincronizadas com os discursos retirados de um dos livros utilizados para a narração em off, Duas viagens ao Brasil (1557), do mercenário alemão Hans Staden. Essa informação, sobre os excertos, só é dada aos espectadores nos créditos do filme, o que nos faz entender melhor sobre a conexão entre a narrativa e a presença de corpos alemães, atrelados ao discurso do colonialismo.

O processo de subjugação desses indivíduos/sujeitos (podemos mesmo chamá-los assim? rs), então, subverte a lógica: agora são os corpos desses compatriotas, de um continente que promoveu (e também inventou) a distinção de grupos sociais como forma de exercer sua hegemonia e usurpar (e destruir) tudo aquilo que lhe fosse necessário para o funcionamento da máquina colonial, que serão sujeitados. O domínio das imagens, sem apresentar informações sobre o contexto em que elas foram capturadas, ou a quem pertenceram, alimentam a inversão das condições que antes era de privilégio do “colonizador”: aqueles que foram responsável por produzir narrativas etnocêntricas, deturpadas e racistas dos corpos e culturas presentes no “Novo Mundo” tornam-se “coisas” nas lentes de Lia Letícia.

A voz indígena, nesse sentido, se apropria do imaginário colonial que um dia chamou seus antepassados de selvagens, indolentes e sem alma. Agora é a nossa vez de propagar um diagnóstico sobre esses outros corpos. Maria Pastora/Thinya, ao tomar posse de registros escritos entre o século XVI e XVIII, os quais convergem com uma série de textos produzidos pelos portugueses no mesmo período histórico, é de uma violência simbólica, no mínimo, atraente. Segundo Jota Mombaça, redistribuição de violência que chama.

Screenshot_20191115-142950~2

Fragmento da obra ‘A Ferida Colonial Ainda Dói’, vol. 6 vocês nos devem, de Jota Mombaça para Videobrasil, 2017. Foto: Inês Abreu e Joana Maia.

Tecendo tais pontos, proponho-me a lançar um olhar decolonial sobre a obra da diretora. A criação da distinção das populações do “Novo Mundo” perpassa pelo processo de racialização dos povos indígenas (e negros). O olhar que inventa o “Outro” conferiu aos europeus, desde então, o poder de se projetarem como seres universais, produzindo um único modelo de existência que desvaloriza (e tenta eliminar) todas as outras formas de ser e existir que sejam fora do padrão legitimado pelo projeto eurocêntrico-branco-colonialista-hegemônico. O advento da modernidade, segundo a epistemologia decolonial, perpassa pela colonialidade, que, embora tenha suas relações alteradas com o fim do colonialismo, ainda perpetua regimes de poder, saber e ser que estão diretamente ligados a essa experiência. A invenção do Outro é realizada sob a impositiva égide da razão, a qual provoca epistemícidios nas produções dos saberes e aniquila as subjetividades desses grupos sociais.

Nesse sentido, apesar da subversão da enunciadora, como quem diz os selvagens são vocês, me parece que a lógica colonialista não se encerra, pois o caminho que se segue para tal alteração se dá pela apreensão do discurso colonial pelo povo colonizado. Ainda que simbolicamente a emissão do discurso se dê na língua indígena yathee, me questiono quais são as representações e narrativas produzidas pelos próprios povos originários sobre a colonização, que poderiam ser contadas e repassadas através dessa experiência, que se propõe, aparentemente, a conduzir uma virada epistemológica. Quais imagens desse processo histórico essas pessoas possuem? Quais imaginários foram/são criados sobre este projeto colonial? 

Muito mais do que apontar se as escolhas feitas para a construção do curta-metragem foram certas ou erradas, as provocações aqui expostas partem de um tensionamento sobre os debates entre pós-colonialismo (digo isso porque a sinopse menciona que essa é uma “viagem pós-colonial”) e decolonialidade, como formas de pensar outras possibilidades de narrativas que radicalizem os regimes de linguagem já postos. É suficiente apenas se apropriar do discurso do colonizador? Ainda que se crie uma nova linguagem com a proposta de produzir novas significações através da apropriação das imagens e do discurso sobreposto a elas, Thinya me provoca a pensar em outros caminhos possíveis para se distanciar ainda mais (ou romper?) do empreendimento colonial.

Não tenho respostas.

São apenas confabulações.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s