Ancestralidade Digital e as Memórias do Futuro: Thinya, Sample e Motriz

A pergunta que une os três filmes é nosso ponto de partida: qual será a forma da ancestralidade no futuro? 

Hoje o registro da escrita parece fornecer uma forma de ancestralidade que se inscreve no presente de maneira mais efetiva

Seja em Octavia E Butler, ou mesmo na nossa chegada ao futuro que Lima Barreto previra e onde sempre estivera, a palavra ainda evoca laços de ancestralidade mais permanentes que a imagem, por exemplo

Mas se a virada do século traz consigo o que já podemos entender como a Era das Imagens, qual será a forma das novas heranças nesse jogo? Os três filmes em questão apontam para lugares possíveis e distintos

O caso Thinya

images (8)

Thynia, curta pernambucano dirigido por Lia Letícia propõe uma primeira possibilidade: o digital não é necessariamente a oposição ao arquivo físico, mas extrapola seu limites podendo inclusive subverte-lo

Ao pegar imagens de famílias alemãs e sobrepor a estes registros a voz em off de uma mulher indígena (Thinya), tanto os aquivos quanto a voz criam uma nova dimensão narrativa, que sai do hoje e caminha para repensar todos os processos coloniais e a seletividade dos arquivos

Além disso, ao exercitar na construção da direção de fotografia a criação de uma terceira dimensão das imagens, até então planas, o procedimento digital altera completamente a natureza original do registro físico, de modo a não somente contrapo-lo, mas supera-lo

E ancestralidade em partes é mesmo o movimento de superar os registros físicos (e fixos) do passado, sem necessariamente querer mudar o passado em si (aliás, “Kindred”, de Butler, é muito sobre isso também)

O caso “Sample”

images (7)

O curta metragem paulista dirigido por Ana Júlia Travia evoca ancestralidade num movimento narrativo duplo e único, ao mesmo tempo

A forma do filme remete aos aspectos das afro ficções contemporâneas, que saem de “Born in Flames” e chegam em “Hair Wolf”

A ancestralidade não é exatamente a ruptura com o passado, mas a suspensão de seus vínculos, a transformação da balança causa-efeito em realidade-imaginação

Assim, na sequência síntese do filme, o casal de protagonistas se encontra na Aparelha Luzia enquanto um dos personagens comenta sobre o passado escravocrata do bairro da Liberdade

A ancestralidade em sua forma digital é o arquivo do futuro, e extrair do passado os “samples” para deles partir a outras narrativas e espaços é, no digital, a ancestralidade de hackear o passado para reprogramar o futuro

O caso “Motriz”

images (6)

Motriz, pra mim o melhor curta brasileiro de 2018, movimenta como poucos filmes a Ancestralidade das imagens

Um filme que nasce despreocupado em ser ou não filme tem tudo para ser um grande filme

Saber quem filma e quem se filma, saber que Tais e sua mãe são Tais e sua Mãe, o gesto desvelado de quem assume posse da câmera

Porque Motriz é a essência da ancestralidade de uma juventude preta e digital, talvez pela primeira vez podendo exercer autoria sobre sua própria existência, comum e cotidiana, é ainda a lucidez sobre vir de e vir a ser a ancestralidade de alguém

Motriz, essa pérola de cinema, é lugar a ser visitado sempre que possível, é uma viagem pro interior do interior de algum interior, mesmo caminho, lugar sem nome, mas que chama, como toda ancestralidade, fazendo a ver começo, meio, e fim

A mãe que via filmes torna-se personagem do filme de sua filha cineasta. Ancestralidade? Então toma

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s